Kinesio Tape é eficaz?

A Kinesio Tape (ou fita cinesiológica) e suas variações, são fitas adesivas elásticas utilizadas por atletas ou não-atletas com diversos objetivos relacionados ao tratamento e “prevenção” de lesões. Seu fundador e inventor Kenzo Kase, propôs diversos benefícios da utilização da Kinesio Tape, como: fornecer estímulo posicional através da pele; alinhar as fáscias; criar mais espaço levantando a fáscia e o tecido mole acima da área de dor / inflamação; fornecer estímulo sensorial para auxiliar ou limitar o movimento; e auxiliar na redução de edemas.

A utilização da Kinesio Tape ganhou interesse internacional entre os atletas a partir das Olímpiadas de Pequim em 2008, onde participantes do mundo todo foram televisionados utilizando-a (1). No ambiente esportivo elas são usadas por uma variedade de razões incluindo, aumentar o fluxo sanguíneo, reduzir a dor, prevenir lesões, facilitar a recuperação, aumentar a amplitude de movimento ou a flexibilidade, aumentar a força e ajudar na estabilidade e melhorar varias outras medidas de desempenho atlético (2). De acordo com Nunes et al. (3), apesar da publicidade e uso por atletas em larga escala há evidências limitadas que apoiem a utilização da Kinesio Tape para estas razões. A maior parte da validação para o uso de Kinesio Tape é através do endossamento e testemunhos encontrados na internet (1).

Algumas meta-análises e revisões sistemáticas tem mostrado que não há eficácia na utilização de Kinesio Tape para melhora do desempenho(2), prevenção de lesões esportivas (4), lesões musculares (5), dor (6–9) e propriocepção (10).

Apesar dessa não eficácia apresentada por estes estudos de revisão, o que outros estudos experimentais dizem a respeito?

Prevenção de Lesões e Propriocepção

Alguns estudos foram publicados buscando analisar a efetividade do uso de Kinesio Tape em fatores como funcionalidade, estabilidade e propriocepção em diferentes indivíduos. Fatores estes que de acordo com os autores são importantes em relação à prevenção de lesões (11–16).

Estudos que realizaram o taping no tornozelo (12,13,17) verificaram que não houve diferença significativa entre situações de utilização da fita, placebo (fita “falsa”), ou a não utilização da fita em scores de estabilidade. Em relação a estabilidade e controle postural, o estudo de Inglés et al.(11) verificou que em atletas de futebol, quando comparado o uso da fita, placebo e exercícios de estabilidade estática e dinâmica, a utilização da fita isolada não traz nenhum benefício nestes fatores, sendo que o uso de exercícios de estabilidade com função de melhorar a força e a coordenação foram capazes de melhorar a estabilidade avaliada através do teste SEBT (Star Excursion Balance Test).

Em outro estudo realizado por Zulfikri & Justine(14), em indivíduos recreativamente ativos, foi verificado também a estabilidade através do teste SEBT, sendo nesse caso a utilização do taping em músculos mais próximos ao joelho. Neste estudo foi possível observar que após um protocolo agudo para causar fadiga, o grupo que utilizou a fita teve melhores scores de estabilidade comparado a quem não utilizou.

Em relação a lesões mais características de membros superiores (ombro principalmente), Zanca et al.(16) verificaram que, em atletas, os efeitos da fadiga muscular na cinemática escapular não causou alteração em condições de uso da fita, placebo, ou o não uso. E que apesar de serem encontradas algumas mudanças na cinemática com a fadiga, elas eram baixas ou não eram relevantes, concluindo que em atletas saudáveis parece ocorrer um mecanismo de adaptação que evitam padrões de movimento indesejados quando em fadiga muscular. Dessa forma, estes atletas do estudo não se beneficiaram da utilização da Kinesio Tape.

Williams et al.(18) verificaram que em atletas de basquete, em tarefas com mudança brusca de direção, o uso da fita no tornozelo teve pouco ou nenhum impacto em reduzir entorses e pode ter um efeito potencialmente negativo para lesões no joelho, apesar de que em tarefas como o rebote no basquetebol, demostrou diminuição dos fatores de risco associados ao entorse no tornozelo devido a restrição da amplitude de movimento.

Dor

Em relação a dor crônica muscular, estudos com ensaios randomizados controlados tem demonstrado que existe uma redução na dor em indivíduos utilizando Kinesio Tape, porém sem diferenças relevantes quando comparado a utilização de fita “falsa”, ou seja, um efeito placebo (15,19).

No estudo de Al-Shareef et al. (19) 42 pacientes com dor lombar crônica não específica foram divididos em grupo experimental e grupo placebo. Foram realizadas as intervenções com a aplicação da Kinesio Tape na musculatura eretora da coluna e avaliados os scores de dor, amplitude de movimento e capacidade funcional antes, durante e após 4 semanas. Os resultados demonstraram que houve melhora de todos os quesitos avaliados, porém sem relevância comparado ao grupo que realizou placebo. Os autores justificam que o efeito placebo derivado da expectativa dos participantes em relação ao tratamento, pode ser uma explicação possível para o alívio da dor.

De acordo com Lu et al. (20), em uma meta-análise de ensaios randomizados controlados, mostraram que para indivíduos apresentando quadro de osteoartrite no joelho a utilização da fita se mostrou efetiva em melhorar o quadro de dor e de função (amplitude de movimento). A análise contou com 5 estudos, totalizando 308 indivíduos, com idades médias de 51 a 70 anos, e duração dos estudso de 1 a 6 semanas. Apesar disso os autores reforçam que devido à baixa qualidade das evidências, esses achados devem ser tratados com cuidado.

Quando comparado com a realização de exercícios e terapia manual, Estudos tem demonstrado que o a fita não produz efeito benéfico adicional para a dor quando os pacientes recebem tratamento através de terapia manual e exercício. Added et al.(21) acompanharam 148 pacientes com dor lombar crônica não específica e realizaram intervenção de 10 sessões de fisioterapia (2x por semana) consistindo de exercício e terapia manual, sendo um grupo com e outro sem a implementação da Kinesio Tape aplicada na região lombar. Os resultados finais demonstraram que não houve diferença entre os grupos após 5 semanas, 3 e 6 meses. Os autores concluiram que o uso da fita junto ao programa de fisioterapia não trouxe nenhum efeito adicional em relação aos níveis de dor.

Desempenho

Lee & Lim(15), dividiram 44 homens saudáveis (sem lesões), fisicamente ativos, em 3 grupos: Fita Dupla, Fita Simples e Placebo. A aplicação da fita foi realizada nos músculos da panturrilha e no reto femoral, aplicado o protocolo de exercícios e então avaliado o efeito das intervenções de forma aguda sobre o desempenho de saltos e dor após fadiga muscular causada por exercício. O protocolo de fadiga muscular foi composto por exercício para panturrilha e agachamento, sendo 5 séries de 20 repetições cada. Os participantes realizaram o protocolo até atingirem a escala de esforço percebida de 8 em 10 (Escala de Borg), em seguida, foram solicitados a continuar até que estivessem totalmente exaustos. Não ocorreram diferenças significativas entre os grupos em relação a dor subjetiva e nem na melhora do desempenho dos saltos. Os autores justificam que o uso da Kinesio Tape pode não ser suficiente para estimular as fibras não-nociceptivas.

Outros estudos também entram em concordância sobre não ocorrer melhoras do desempenho com a utilização da Kinesio Tape (22–26). Reneker et al.(2) em uma revisão sistemática buscou estudos que avaliassem o efeito da utilização da Kinesio Tape sobre a melhora do desempenho de atividades como saltos, corrida de longa distância, ciclismo, equilíbrio dinâmico, desempenho no agachamento, agilidade entre outros. Foi concluído pelos autores que a utilização de fita não causou melhora do desempenho, e que apesar dos resultados apresentados, ainda existe um potencial da fita melhorar o desempenho esportivo se o atleta acreditar nos benefícios da sua utilização, sendo isso devido a uma série de mecanismos incluindo o benefício psicológico se o atleta já experimentou desempenho positivo enquanto usava a Kinesio Tape (27).

Conclusão

Em relação a prevenção de lesões, o uso da Kinesio Tape, de acordo com os estudos supra-citados, não parece trazer benefício adicional em situações onde os indivíduos são treinados ou atletas. Outro fator importante a ser levado em consideração é que as razões pelas quais ocorrem lesões são multifatorais, não podendo apenas adotar uma variável, como no caso a propriocepção, como único fator de risco associado. Força, flexibilidade, potência aeróbia, velocidade, gênero, histórico, posição e função do atleta também devem ser considerados (28).

Além que, estudos comparando a efetividade do treinamento de força com o proprioceptivo demonstraram que o treinamento de força é mais eficaz na redução do risco de lesões (29,30), assim como também foi demonstrado que atletas mais fortes ou mais condicionados apresentam maior tolerância as cargas de treinamento e assim apresentando menor risco de sofrer uma lesão (31,32).

De maneira geral, os autores entram em consenso sobre a baixa qualidade de evidência dos estudos, pela dificuldade em padronização dos protocolos, diferente população amostral, as diferentes técnicas e locais de aplicação, assim como o nível de tensão aplicada, levam a diferentes resultados apresentados nos estudos. Mesmo assim, estudos de maior qualidade de evidência como os ensaios randomizados controlados, apresentam evidências de que a utilização da Kinesio Tape não traz benefícios adicionais tanto no desempenho, quanto na prevenção de lesões.

Em relação a dor, os estudos demonstram que existe sim um benefício. Porém quando comparado a utilização da fita, com o placebo, os resultados são praticamente os mesmos. Dessa forma podendo ser levado em consideração o fator psicológico em relação as respostas na dor.

Outros fatores intrínsecos e extrínsecos também devem ser levados em consideração, dentro do contexto individual, ambiental e sociocultural, que de acordo com Bolling et al. (33), ainda faltam muitas peças para preencher o quebra-cabeça devido ao entendimento limitado da complexidade do contexto esportivo em que ocorre uma lesão.

Referências

1.          Beutel BG, Cardone DA. Kinesiology taping and the world wide web: a quality and content analysis of internet-based information. Int J Sports Phys Ther [Internet]. 2014;9(5):665–73. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25328829%0Ahttp://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=PMC4196331

2.          Reneker JC, Latham L, McGlawn R, Reneker MR. Effectiveness of kinesiology tape on sports performance abilities in athletes: A systematic review. Phys Ther Sport [Internet]. 2018;31:83–98. Available from: https://doi.org/10.1016/j.ptsp.2017.10.001

3.          Nunes GS, Vargas VZ, Wageck B, Hauphental DP dos S, Luz CM da, de Noronha M. Kinesio Taping does not decrease swelling in acute, lateral ankle sprain of athletes: A randomised trial. J Physiother [Internet]. 2015;61(1):28–33. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jphys.2014.11.002

4.          Williams S, Whatman C, Hume PA, Sheerin K. Kinesio taping in treatment and prevention of sports injuries: A meta-analysis of the evidence for its effectiveness. Sport Med. 2012;42(2):153–64.

5.          Mostafavifar M, Wertz J, Borchers J. A systematic review of the effectiveness of kinesio taping for musculoskeletal injury. Phys Sportsmed. 2012;40(4):33–40.

6.          Montalvo AM, Cara E Le, Myer GD. Effect of kinesiology taping on pain in individuals with musculoskeletal injuries: Systematic review and meta-analysis. Phys Sportsmed. 2014;42(2):48–57.

7.          Nelson NL. Kinesio taping for chronic low back pain: A systematic review. J Bodyw Mov Ther [Internet]. 2016;20(3):672–81. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbmt.2016.04.018

8.          Parreira P do CS, Costa L da CM, Hespanhol Junior LC, Lopes AD, Costa LOP. Current evidence does not support the use of Kinesio Taping in clinical practice: A systematic review. J Physiother [Internet]. 2014;60(1):31–9. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jphys.2013.12.008

9.          Lim ECW, Tay MGX. Kinesio taping in musculoskeletal pain and disability that lasts for more than 4 weeks: Is it time to peel off the tape and throw it out with the sweat? A systematic review with meta-analysis focused on pain and also methods of tape application. Br J Sports Med. 2015;49(24):1558–66.

10.       Raymond J, Nicholson LL, Hiller CE, Refshauge KM. The effect of ankle taping or bracing on proprioception in functional ankle instability: A systematic review and meta-analysis. J Sci Med Sport [Internet]. 2012;15(5):386–92. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jsams.2012.03.008

11.       Inglés M, Serra-Añó P, Méndez ÀG, Zarzoso M, Aguilar-Rodríguez M, Suso-Martí L, et al. Effect of Kinesio Taping and balance exercises on postural control in amateur soccer players: A randomised control trial. J Sports Sci [Internet]. 2019;37(24):2853–62. Available from: https://doi.org/10.1080/02640414.2019.1677016

12.       De-La-Torre-Domingo C, Alguacil-Diego IM, Molina-Rueda F, López-Román A, Fernández-Carnero J. Effect of Kinesiology Tape on Measurements of Balance in Subjects with Chronic Ankle Instability: A Randomized Controlled Trial. Arch Phys Med Rehabil. 2015;96(12):2169–75.

13.       Bailey D, Firth P. Does kinesiology taping of the ankles affect proprioceptive control in professional football (soccer) players? Phys Ther Sport [Internet]. 2017;25:94–8. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.ptsp.2016.09.001

14.       ZULFIKRI N, JUSTINE M. Effects of Kinesio® Taping on Dynamic Balance Following Fatigue: a Randomized Controlled Trial. Phys Ther Res. 2017;20(1):16–22.

15.       Lee H, Lim H. Effects of double-taped kinesio taping on pain and functional performance due to muscle fatigue in young males: A randomized controlled trial. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(7).

16.       Zanca GG, Grüninger B, Mattiello SM. Effects of Kinesio taping on scapular kinematics of overhead athletes following muscle fatigue. J Electromyogr Kinesiol [Internet]. 2016;29:113–20. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jelekin.2015.06.005

17.       Hadadi M, Haghighat F, Sobhani S. Can fibular reposition taping improve balance performance in individuals with chronic ankle instability? A randomized controlled trial. Musculoskelet Sci Pract [Internet]. 2020;46:102128. Available from: https://doi.org/10.1016/j.msksp.2020.102128

18.       Williams SA, Ng L, Stephens N, Klem N, Wild C. Effect of prophylactic ankle taping on ankle and knee biomechanics during basketball-specific tasks in females. Phys Ther Sport [Internet]. 2018;32(April):200–6. Available from: https://doi.org/10.1016/j.ptsp.2018.04.006

19.       Al-Shareef AT, Omar MTA, Ibrahim AHM. Effect of kinesio taping on pain and functional disability in chronic nonspecific low back pain. Spine (Phila Pa 1976). 2016;41(14):E821–8.

20.       Lu Z, Li X, Chen R, Guo C. Kinesio taping improves pain and function in patients with knee osteoarthritis: A meta-analysis of randomized controlled trials. Int J Surg [Internet]. 2018;59(August):27–35. Available from: https://doi.org/10.1016/j.ijsu.2018.09.015

21.       Added MAN, Costa LOP, De Freitas DG, Fukuda TY, Monteiro RL, Salomão EC, et al. Kinesio taping does not provide additional benefits in patients with chronic low back pain who receive exercise and manual therapy: A randomized controlled trial. J Orthop Sports Phys Ther. 2016;46(7):506–13.

22.       Dos Santos Glória IP, Politti F, Junior ECPL, Lucareli PRG, Herpich CM, Antonialli FC, et al. Kinesio taping does not alter muscle torque, muscle activity or jumping performance in professional soccer players: A randomized, placebo-controlled, blind, clinical trial. J Back Musculoskelet Rehabil. 2017;30(4):869–77.

23.       Fernandes de Jesus J, de Almeida Novello A, Bezerra Nakaoka G, Curcio dos Reis A, Fukuda TY, Fernandes Bryk F. Kinesio taping effect on quadriceps strength and lower limb function of healthy individuals: A blinded, controlled, randomized, clinical trial. Phys Ther Sport [Internet]. 2016;18:27–31. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.ptsp.2015.11.004

24.       Csapo R, Alegre LM. Effects of Kinesio® taping on skeletal muscle strength-A meta-analysis of current evidence. J Sci Med Sport [Internet]. 2015;18(4):450–6. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jsams.2014.06.014

25.       Wilson V, Douris P, Fukuroku T, Kuzniewski M, Dias J, Figueiredo P. the Immediate and Long-Term Effects of Kinesiotape® on Balance and Functional Performance. Int J Sports Phys Ther [Internet]. 2016;11(2):247–53. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27104058%0Ahttp://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=PMC4827367

26.       Nakajima MA, Baldridge C. The effect of kinesio® tape on vertical jump and dynamic postural control. Int J Sports Phys Ther [Internet]. 2013;8(4):393–406. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24175126%0Ahttp://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=PMC3812836

27.       Vercelli S, Ferriero G, Bravini E, Sartorio F. How much is Kinesio taping a psychological crutch? Man Ther [Internet]. 2013;18(3):e11. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.math.2012.10.008

28.       Bahr R, Holme I. Risk factors for sports injuries – A methodological approach. Br J Sports Med. 2003;37(5):384–92.

29.       Lauersen JB, Bertelsen DM, Andersen LB. The effectiveness of exercise interventions to prevent sports injuries: A systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. Br J Sports Med. 2014;48(11):871–7.

30.       Lauersen JB, Andersen TE, Andersen LB. Strength training as superior, dose-dependent and safe prevention of acute and overuse sports injuries: A systematic review, qualitative analysis and meta-analysis. Br J Sports Med. 2018;52(24):1557–63.

31.       Malone S, Hughes B, Doran DA, Collins K, Gabbett TJ. Can the workload–injury relationship be moderated by improved strength, speed and repeated-sprint qualities? J Sci Med Sport [Internet]. 2019;22(1):29–34. Available from: https://doi.org/10.1016/j.jsams.2018.01.010

32.       De La Motte SJ, Gribbin TC, Lisman P, Murphy K, Deuster PA. Systematic review of the association between physical fitness and musculoskeletal injury risk: Part 2 — Muscular endurance and muscular strength. J Strength Cond Res. 2017;31(11):3218–34.

33.       Bolling C, van Mechelen W, Pasman HR, Verhagen E. Context Matters: Revisiting the First Step of the ‘Sequence of Prevention’ of Sports Injuries. Sport Med [Internet]. 2018;48(10):2227–34. Available from: https://doi.org/10.1007/s40279-018-0953-x

Gustavo Api

Gustavo Api

Licenciado e Bacharel em Educação Física pela Universidade Positivo. Especialista em Treinamento Desportivo pela Universidade Paulista. Especialista em Esporte de Alto Rendimento pelo Instituto Olímpico Brasileiro - Comitê Olímpico do Brasil. Atuando desde 2010 na área de Esporte e Fitness, atualmente como Preparador Físico no Santa Mônica Clube de Campo, atuou como treinador de Levantamento de Peso, aonde também participou como atleta amador de diversas competições a nível estadual. Seus temas preferidos são Treinamento de Força, Periodização e Monitoramento de Cargas no Esporte. Buscando sempre mais conhecimento, aprender nunca é demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate