Periodização das habilidades motoras

Nessa matéria a gente vai explorar um modelo de periodização apresentado por um artigo de 2019. A ideia dessa periodização é aplicar os conceitos da aprendizagem e controle motor para o desenvolvimento e manutenção de habilidades motoras. Ou seja, o principal foco é nas habilidades e não diretamente no desenvolvimento das capacidades físicas, que é geralmente a base para aplicação de modelos de periodização mais tradicionais (VEJA A MATÉRIA SOBRE PERIODIZAÇÃO).

Recentemente Otte, Millar e Klat (2019) propuseram um modelo de periodização voltada para o desenvolvimento das habilidades motoras específicas da modalidade, onde os autores descrevem os períodos, e como aplicar efetivamente o programa. Neste modelo, o treinamento é dividido em três fases, sendo (1) coordenação, (2) adaptabilidade da habilidade e (3) desempenho (1).

Coordenação

Coordenação é a primeira fase, e poderia se assemelhar com um período preparatório. Nessa fase o objetivo é a aquisição básica de repertório motor de acordo com os componentes da tarefa, por exemplo nessa fase a ênfase se dá na aquisição de novos gestos motores, promovendo exercícios mais simples e diversificados.

Adaptação das habilidades

A segunda fase chamada de adaptação das habilidades e tem como objetivo a aprendizagem de habilidades específicas e sua aplicação em contextos mais complexos e mais similares ao da modalidade. Essa fase possui três subfases. (1) A subfase da variabilidade de movimento, onde a ideia é explorar a técnica com variações, por exemplo utilizando bolas de diferentes pesos, diferentes ângulos e variações em geral. (2) a subfase de treinamento complexo, onde a complexibilidade é aumentada em relação a subfase anterior, onde a execução de duas ou mais ações é enfatizada. E a última (3) subfase, treinamento baseado em equipe, onde as situações da modalidade são replicadas em versões reduzidas, como minijogos de 2×2, 3×3 etc.

Fase de desempenho

A fase de desempenho é a última no modelo, e visa necessariamente replicar as situações da modalidade, e o foco na técnica não é necessariamente o mais importante, mas a sim o desempenho em situações reais. Essa fase é uma progressão da última fase, os jogos reduzidos poderão ser incluídos, mas geralmente em escala maior e ainda mais parecidos com o jogo.

Azul= Coordenação, Verde= Adaptação das habilidades, e Vermelho= Fase de desempenho, o eixo vertical representa a complexidade dos exercícios.

Aplicação a longo prazo

O artigo ainda descreve como sistematizar o treinamento a longo prazo, levando em consideração essas fases e subfases. De maneira geral, nas fases iniciais (longe de competições) pode ser priorizado a coordenação e exploração de novos movimentos e técnicas parecido com uma preparação geral na periodização tradicional. Durante a temporada e mesmo dentro das semanas e dias de treino, há uma alternância entre a fase de adaptabilidade e desempenho, onde naturalmente mais próximo aos jogos a ênfase é dada para a fase de desempenho, ou seja, exercícios de alta representatividade, que são praticamente idênticos as situações encontradas na partida. Como situações táticas e demais situações encontradas na modalidade esportiva.

Colocando em prática

Para os esportes coletivos o uso de uma periodização que leva em consideração a técnica pode ser mais adequado do que modelos tradicionais. Porém os autores não fazem recomendações de como efetivamente sistematizar esses componentes citados, sendo que na periodização há a necessidade de organizar o treinamento por períodos, variando cargas e objetivos visando o máximo de performance no período desejado (2). É um modelo que ainda aparentemente precisa ser testado para se obter valores aproximados de como aplicar a sobrecarga ideal, como alcançar o pico de performance, e em geral determinar os critérios para a montagem do programa. Onde por exemplo, existem diversos tipos de habilidades motoras, como contínuas, seriadas e discretas, e estas habilidades se desenvolvem de maneira específica e devem ser treinadas diferentes (3).

Conclusão

O artigo vai muito mais além do que explicamos aqui. Abordando conceitos importantes relacionados a teoria dos sistemas dinâmicos (CLIQUE AQUI) e aprendizagem motora. Se ficou com alguma dúvida, ou curtiu a matéria, comenta aí o que achou desse modelo!

Não deixa ninguém te enganar. Siga SciTraining

Referências

1.       Otte FW, Millar S-K, Klatt S. Skill Training Periodization in “Specialist” Sports Coaching—An Introduction of the “PoST” Framework for Skill Development. Front Sport Act Living. 2019;1(November):1–17.

2.       Mujika II, Halson S, Burke LM, Balagué G, Farrow D. An integrated, multifactorial approach to periodization for optimal performance in individual and team sports. Int J Sports Physiol Perform. 2018;13(5):538–61.

3.       Tani G, Corrêa UC. Aprendizagem Motora e o ensino dos esportes. 1st ed. São Paulo: Blucher; 2016. 384 p.

Danilo Arruda

Danilo Arruda

Profissional da Educação Física formado pela PUC-PR. Especialista em Treinamento Desportivo pela UNIP/CEFIT e Mestrando em Kinesiology and Exercise Science - Aprendizagem e Controle Motor pela Universidade do Wyoming (EUA), onde também atua como Assistente de Ensino para alunos da graduação. Técnico de voleibol desde 2010 habilitado pela Confederação Brasileira de Voleibol - Nível 3. Tem como principal área de interesse a Aprendizagem e Controle Motor, desvendando os meios e métodos mais eficientes para a performance e ensino do esporte/movimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate